terça-feira, 1 de setembro de 2009

Luz Branca

Luz Branca
Miguel Garcia

Venero a beleza de sua paisagem interior, fascínado que estou por seu Self autêntico - sem disfarce ou defesas contra o terror da morte, experiência que hoje pratico apenas na memória, pois contemplá-la desprotegido feri os olhos, cega de paixão.
Cerro as janelas da alma todo o tempo, per-seguindo seus contornos divinais em pensamento - sua sina na dança do existir.
Cegou-me a Luz Branca.

4 comentários:

rebecca disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Miriam Rodrigues disse...

Parabéns...pela emoção...pela clareza...pela beleza que há em suas palavras... poemas e canções!!

Miriam Rodrigues disse...

Parabéns...pela emoção...pela clareza...pela beleza que há em suas palavras... poemas e canções!!

Anônimo disse...

OLa Rebeca,

Grato pelo comentário bondoso! Apareça mais por aqui..

Sinto-me imensa-mente-e-coração grato por seu comentário fertilizador de minhas pulsões!

Ave Marias!

Abraço fraterno,

Miguel