sexta-feira, 30 de maio de 2008

União E-terna

União E-terna
Miguel Garcia


Voa borboleta, voa!
Voeja minha alma liberta do túmulo que a tudo conforma à realidade ilusória...
Paira na imensidão do tempo...
Voa ser imortal, voa!
Flutua a salvo no poder de tuas asas resplandecentes: a enfadonha e rastejante existência como lagarta já passou.
No resplendor desse dia, voa!

Alimente-se das mais perfumadas e delicadas produções da primavera.
Voa princípio de vida, voa!
Para além de infortúnios ou sortilégios enganadores, voa...
Voa flor alada!
Estais redimida de toda dor.
Voa para além das montanhas majestosas - essa terra banhada pelo sol,
onde repousam bonançosos ventos do norte...
Por lugares hiperbóreos, voa depressa!
Voa vida minha, que logo irei ter contigo, carregado por outros ares, é bem certo,
na companhia das horas, alcançarei a ti e,
em nossa feliz solidão, certamente, a aurora comovida espalhará nuvens pelo céu e a natureza inteira chorará a alegria de nossa união eterna.


Vassum Crisso

2 comentários:

Martiniano disse...

Sei que borboletas voam.
Também sei que para elas serem borboletas precisaram mudar e muito.
E mudar não é fácil. Mudar pessoas então é mais difícil ainda.
Mas aprendi que para pessoas o difícil não é mudar, é ser mudado.
O dom do melhor amigo, é, que o bom dos melhores amigos não mudam o seu melhor amigo, o fazem lembrar que, precisam mudar no conflito. Aprender com ele.
O bom melhor amigo não isenta o conflito, não o excluiu, mas, nos fazem lembrar que na hora desse conflito não podemos esquecer que problemas são passageiros e que esses conflitos ou problemas vão nos transformar em pessoas melhores e mais humanas.
Miguel tu não és poeta só no andar. Tu não és poeta só no falar ou no pensar.
Tu és poeta na humanidade do ser, do agir, do pensar e do ser.
Tu és poeta moderno, com tom de antiguidade. Com ar de raridade, peça de museu.
E eu posso dizer que amigo, amigo de verdade, que me levou não só a mudar, mas a aprender com teu exemplo que; borboletas que um dia foram larvas podres e pobres, podem sonhar em serem borboletas com sonhos e que voam.
Aprendi a ser um pouco disso com você.
Obrigado por me ensinar mesmo sem querer ensinar.

Obrigado por ser. Ser poeta. Ser borboleta.

Martin

martin disse...

Sei que borboletas voam.
Também sei que para elas serem borboletas precisaram mudar e muito.
E mudar não é fácil. Mudar pessoas então é mais difícil ainda.
Mas aprendi que para pessoas o difícil não é mudar, é ser mudado.
O dom do melhor amigo, é, que o bom dos melhores amigos não mudam o seu melhor amigo, o fazem lembrar que, precisam mudar no conflito. Aprender com ele.
O bom melhor amigo não isenta o conflito, não o excluiu, mas, nos fazem lembrar que na hora desse conflito não podemos esquecer que problemas são passageiros e que esses conflitos ou problemas vão nos transformar em pessoas melhores e mais humanas.
Miguel tu não és poeta só no andar. Tu não és poeta só no falar ou no pensar.
Tu és poeta na humanidade do ser, do agir, do pensar e do ser.
Tu és poeta moderno, com tom de antiguidade. Com ar de raridade, peça de museu.
E eu posso dizer que amigo, amigo de verdade, que me levou não só a mudar, mas a aprender com teu exemplo que; borboletas que um dia foram larvas podres e pobres, podem sonhar em serem borboletas com sonhos e que voam.
Aprendi a ser um pouco disso com você.
Obrigado por me ensinar mesmo sem querer ensinar.

Obrigado por ser. Ser poeta. Ser borboleta.

Martin