sexta-feira, 25 de setembro de 2009

De olhos longos, saudade...

De olhos longos, saudade...
Miguel Garcia
Que saudade de dizer só pra você ouvir: mãe, que saudade...
Que saudade de acariciar sua tez macia, que saudade...
Que saudade de ouvir sua voz aveludada ch-amando pelo meu nome, suas memórias - histórias - vestígios no tempo, a saga sua...
Que saudade de sentir seu aroma con-vida-ndo à be-atitude perene, saudade de beijar suas mãos sagradas, saudade de seu carinho, mãe, que saudade...
Saudade de deitar-me ao seu lado, aquecer-me aninhado em seu corpo, cerrar meus olhos em reverência e agradecer ao Ressucitado por tamanha graça e felicidade de ch-ama-la de Mãe... que saudade, dona Edite, que saudade!

2 comentários:

Fagulhas do Divino no humano disse...

Miguel os teologos me trazem medo, mas os poetas como vc.. regam a alma que queima de saudades, com o orvalho de Deus...

Miguel disse...

Sérgio...

Amigo, irmão... Que saudade! Que pessoa bondosa e delicada percebo em vc... Grato Amigo/irmão/parceiro nas aflições crísticas.. Que alegria essa dádiva - esse belíssimo e comov-ente comentário seu! Fico imensamente grato!

Sem pa-Lavras meu amigo, porém guardando à sete chaves a emoção que vc causou em mim.. Obrigado!

Bjos e abraços pra vc e família,

Miguel