terça-feira, 6 de outubro de 2009

In-decência vital



In-decência vital
(Sobre o medo de amar e ser amado)
Miguel Garcia

Constatei que para alguns clérigos e ou potentados da religião, amar é por demais indecente. Não suportam ouvir que são amados por alguém em particular, embora cobicem o "amor" das multidões. Tratam o amor como domínio privado.

Penso que os patrões da igreja "têm razão". O que nos tornaríamos se nos amássemos todos? Imagine você que frequenta alguma igreja, terreiro, sinagoga, mesquita, salão: evangélico, católico, budista, cético ou outra crença qualquer, o que nos tornaríamos num mundo de amor? O que se tornariam os gurus e senhores da religião que devem seu posto à conquista, ao ódio e ao desprezo dos outros? O que se tornariam os chefes da igreja que compraram o cargo a custa de presentes e baseiam sua autoridade no terror que inspiram? Haveria inveja, escravização, negação da legitimidade do outro em convivência, competição predatória de alguma espécie, num mundo inspirado pelo amor? Haveria ainda poderosos e fracos, ricos e pobres, homens livres e escravos?

"Pastores (as)", "bispos (as)", padres e "apóstolos" - gurus religiosos ou psicológicos - ilustrados e cientificados ou singelos e supersticiosos (toscos) que vêm no amor uma ameaça estão cobertos de razão: o amor seria a destruição do mundo deles. Essa gente só verá o Reino do amor sobre as cinzas do deles.

Vassum Crisso!

2 comentários:

Bruno Jardim disse...

Passeando pelo mundo dos blogs achei o seu !

Parabéns ... já me tornei seguidor !

abraços

Danilo Fernandes disse...

Profundamente lamentável, mas verdadeiro.

Quando a igreja esquece o Amor, deixa de ser igreja espiritual. Corpo de Cristo.

Sobram pedras e o flagelo humano.

Hoje me tornei seu seguidor. Aproveitando, quero convidar-lhe para conhecer o Genizah um blog de apologética cristã, notícias e humor. Contamos com um time de editores e colaboradores diversificado e inteligente.

Esperamos você por lá e, se gostar, acompanha a gente!

Um abração, do seu mais novo leitor,

Danilo Fernandes

www.genizahvirtual.com