domingo, 7 de dezembro de 2008

Des-Aparecido

Des-Aparecido
Miguel Garcia

Como pedra atirada em lagoa,
deslizo, provocando agit-ações...
mas só na superfície...
Breve o lago será tão silente
como a eternidade.
Eu, porém, não estarei,
não serei mais...
Ruído inaudível,
bicho condenado,
nulidade,
vivo ou morto,
quem se importa?
Tudo será como sempre foi.
Isso que a-con-tece é vida?
Isso que magoa é pensar,
é ter Des-Aparecido?

Um comentário:

Diana disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.